A Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte (Sogorn) emitiu um protocolo de recomendações para orientar os profissionais da saúde no tratamento de gestantes e puérperas infectadas com a Covid-19. O documento, que está em contínua atualização de acordo com as novas descobertas científicas sobre o novo coronavírus, resume publicações feitas por entidades gestoras e aquelas vinculadas à assistência da saúde da mulher, particularmente no ciclo gravídico-puerperal.

“A diretoria da Sogorn considerou elaborar estas recomendações para contribuir com a assistência às mulheres gestantes e puérperas com sintomas da Covid-19. Nossa preocupação, como uma sociedade que atua em uma especialidade médica, é nortear as ações dos obstetras no momento do atendimento à paciente, de acordo com os dados já disponibilizados pela comunidade científica internacional”, expõe Elvira Mafaldo, presidente da Sogorn.

Elvira explica ainda que apesar de o quadro clínico em gestantes com a Covid-19 ser semelhante ao da população em geral infectada, o reforço na atenção a esse público específico deve-se ao fato de que quando se trata uma mulher gestante, a assistência está sendo voltada a duas vidas: a da mulher e do bebê. “Um dos maiores riscos para esta população, se infectada com o novo coronavírus, é a tendência maior de as mulheres terem partos prematuros e, até mesmo, um comprometimento do bem estar do feto pelo desconforto materno. Por isso, o cuidado com as grávidas e mães de recém-nascidos deve ser redobrado”, argumenta.

No protocolo disponibilizado pela Sogorn são apresentadas diferentes situações para a tomadas de decisão em relação ao acompanhamento e tratamento das gestantes com suspeita ou acometidas pelo coronavírus. Também aponta as ações indicadas àquelas gestantes/puérperas que necessitam ser hospitalizadas por infecção pela Covid-19 em decorrência de uma maior complexidade do caso.

Algumas destas recomendações se referem à assistência ao parto, orientando que o procedimento seja desenvolvido em um ambiente de isolamento e com restrição da quantidade de profissionais envolvidos. Já sobre a amamentação, segundo evidências científicas até o momento, a Sogorn salienta no documento, que a Covid-19 não é um fator de impedimento àquelas mães que desejam amamentar e que estão com bom estado geral, contanto que sejam tomados os cuidados de higienização para proteção ao novo coronavírus.

O protocolo de recomendações da Sogorn está disponível aos médicos obstetras, bem como toda classe médica e os demais profissionais da saúde comprometidos com a Saúde da Mulher. Para o acesso, basta entrar em contato com a secretaria da Sociedade pelo número 84 99637-7766 (também WhatsApp) ou pelo e-mail sogorn@sogorn.com.br

Deixe um comentário

Sobre o autor: sgrnadmin